Portal de notícias Paladino da Verdade - Notícias do Brasil e do Mundo

Início » Paraíba » Walter Agra diz que tabelamento de preços de frete pode gerar formação de cartel

Walter Agra diz que tabelamento de preços de frete pode gerar formação de cartel

walter agra walla santos 22 - Walter Agra diz que tabelamento de preços de frete pode gerar formação de cartelO procurador-chefe do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Walter de Agra Junior, criticou o tabelamento de preços dos fretes pelo Estado, em debate na Câmara dos Deputados sobre alternativas para garantir a distribuição de combustíveis no País. A audiência pública foi promovida pela Comissão de Minas e Energia nesta quarta-feira (4).

Para o Cade, o tabelamento do frete – uma das propostas do governo para encerrar a greve de 10 dias dos caminhoneiros em maio – pode gerar cartelização, afetar a concorrência e a liberdade contratual. Esse tabelamento é tema da Medida Provisória 832/18, em discussão no Congresso.

Essa posição do Cade já foi manifestada em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), respondendo a pedido do ministro Luiz Fux, que é relator de ações que questionam o tabelamento.

Walter de Agra também alertou para a diferença de custos de frete em cada lugar do País. “No Brasil continental, como fazer um tabelamento por distância, por exemplo? Vai ter locais que é muito bom ir, a pista está duplicada, a estrada está em bom estado de conservação. Mas como fazer, por exemplo, no interior do Nordeste e em muitos locais do Norte, onde as pistas são esburacadas?”

Ele apresentou sugestões para melhorar a concorrência no setor de combustíveis, que incluem permitir que produtores de álcool vendam diretamente aos postos, retirando o atravessador; extinguir a proibição de importação de combustíveis pelas distribuidoras; fornecer informações aos consumidores do nome do revendedor de combustível, de quantos postos o revendedor possui e a quais outras marcas está associado; e permitir postos de autosserviço.

As conclusões estão contidas no documento “Repensando o setor de combustíveis: medidas pró-concorrência”, finalizado pelo Cade em maio.

O deputado Hugo Leal (PSD-RJ), que propôs o debate, quis saber se a Petrobras tem um plano de contingência para manter o abastecimento de combustível sem depender exclusivamente do transporte rodoviário. Ele lembrou que houve paralisações de caminhoneiros também em 2013 e 2015.

Leal afirmou que há monopólio e concentração na distribuição, com 2 agentes distribuidores para querosene para aviação; 3 agentes para diesel e gasolina; e 4 agentes para gás de cozinha – conforme dados apresentados pela própria Agência Nacional de Petróleo (ANP) durante a audiência.

“Temos planos de contingência para os estoques de combustíveis, mas não para a distribuição, que não é encarada como problema da Petrobras, mesmo existindo a BR Distribuidora”, afirmou.

Roberto Nagao, gerente-geral de Programação de Refino, Transporte e Comercialização da Petrobras, afirmou que a estatal não age após a entrega do produto no atacado, porque não tem ingerência sobre as demais empresas distribuidoras. Segundo ele, a BR Distribuidora tem papel importante no abastecimento dos aeroportos, mas não distribui combustível no varejo.

“A Petrobras entrega no atacado. O varejo é feito pelas companhias distribuidoras, seja de GLP (gás de cozinha), seja de combustíveis (gasolina, álcool etc.), que entregam para os postos revendedores”, explicou. “O produto que nós entregamos ainda não é um produto acabado, a ele precisa ser adicionado o álcool anidro, para ser gasolina. É um produto que vai ser misturado para ir para o consumidor final.”

Já o representante da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Brunno Atalla admitiu que o mercado de combustível é totalmente depende do modal rodoviário. Segundo ele, o modelo ideal seria de transporte via dutos, mas é uma alternativa muito custosa. Ele defendeu que estudos sejam feitos para uma possível ampliação da malha ferroviária.

Sobre a sugestão de que produtores de álcool vendam direta aos postos, ele disse que a prática hoje é proibida pela ANP, mas a norma pode ser revista. Quanto à permissão para a importação direta de combustíveis, o assunto já estaria na agenda da ANP, segundo ele.